As diferenças de criação do 1º para o 2º filho! Imaginem quem tem o 3º, 4º, 5º….

Hi people!

Hoje, com certeza, as mães que estiverem lendo este post e que possuem mais de um filho irão se matar de rir!!! Além de se identificarem com algumas situações…hehehehe. Vamos lá?

Bom, com o primeiro filho nós temos todas as frescuras do mundo, tanto as necessárias como as completamente desnecessárias… ferve mamadeira a cada uso, lava a chupeta a cada caída, limpa a mão com álcool em gel a cada 2 segundos, tudo que cai no chão não vai para a boca nem pensar, tem medo que engasga, então dá um pedaço minúsculo de pão, tem medo que a criança caia e se machuque, então não deixa a criança fazer nada!Não é isto meninas?

Com a chegada do próximo filho, todas estas “neuroses” vão um pouco por água abaixo! Não é porque não temos mais medo ou não nos preocupamos mais, mas é que já possuímos uma certa experiência que nos deixa mais seguras das situações e atitudes e, o principal, é que é humanamente impossível dar a mesma qualidade de atenção para dois, três, quatro filhos…é impossível comparar quando vc. se dedica integralmente para um  e para vários. Por isso, eu sempre brinco, o BENÍCIO sobrevive sozinho…hehehehe (tadinho…)

Eu comecei a perceber isto logo nos primeiros dias de vida dele, pois bem no dia que ele estava todo lindo para fazer o teste do pezinho, câmeras a postos para fazer toda a assessoria de imprensa deste evento rsrsrs, colocamos os dois no carro (primeira saída em família), um de um lado, o outro do outro e eu no meio, primeira vez do Benício no bebê conforto (que não tem nada de conforto porque o recém-nascido é muito mole, normalmente a gente fica segurando a cabecinha)….tcham tcham tcham…eis que a Chiara passa mal e vomita no mundo!!! Ou seja, todo o trajeto de casa até a maternidade, eu não olhei para a cara do Benício (se a cabeça estava torta, se ele estava respirando, se o sol estava peganda na cara dele… nem imagino o que aconteceu!), eu simplesmente estava toda vomitada, acudindo a Chiara! Chegamos na maternidade…o que aconteceu??? Juninho foi embora com a Chiara para comprar um roupa para ela, eu entrei sozinha para fazer o teste do pezinho com ele…resultado: sem fotos do evento!!! e o pai tb. não presenciou o momento… (isto que só estávamos com duas crianças…)

A partir deste acontecimento, reparei que novamente a nossa vida teria que se adaptar… afinal, muitas vezes temos que nos dividir para atender as necessidades de cada filho. E coisas que fazíamos com naturalidade com um filho, agora foram repensadas: sair com dois filhos, sozinhos é uma aventura a parte, muitas vezes desisto! Dar banho nos dois um por vez, impossível (coloco os dois no banho ao mesmo tempo, loucura total), dormir quando o filho dorme (esquece, um dorme e o outro está a milhão)…. mas o que percebo é que cada vez mais desafiamos os nossos limites, ultrapassamos qualquer obstáculo (antes reclamava que a Chiara acordava um vez por noite, agora ultrapassei este limite e acordo umas 4/5 vezes por noite porque o Benício mama a cada hora…, mãe é isso…sempre além do que imaginamos ser impossível!!!

As preocupações são outras, hoje não tenho medo que ele engasgue com comida, mas tenho medo que ele engasgue com algum brinquedo pequeno da Chiara (mega perigoso), não me preocupo em lavar tudo que cai no chão o tempo todo, mas como ele é muito solto…tenho medo que ele coma algum bicho (já tirei vários da boca dele hehehe)… ou seja, eles são mais independentes, mas também são mais perigosos, pois não têm medo de nada!!! Sem falar que um filho não tem nada a ver com o outro…se a gente se acha a “experiente”, eles acabam com a nossa reputação, pois nada se repete!!! hehehehehe

No começo me sentia culpada, por não poder dar atenção a ele do jeito que gostaria, da mesma forma que me dediquei 100% a Chiara, mas percebi que estava sofrendo à toa, que ele já chegou ao mundo inserido na nossa família deste jeito, a Chiara que deveria sentir a divisão também curti demais estar com o irmão e muitas vezes ajuda a cuidar….ela grita: mãe o Benício está indo para a escada….hehehehe guardiã!!!! Então, precisamos nos adequar da melhor forma e SER FELIZ!!! E quando junta a Marina à trupe, aí que a família “firifinfim” está formada… não sei se teremos mais, mas se tivermos contarei a BAGUNÇA aqui paras vocês!!!!

O importante é não sentir culpa e saber que estamos SEMPRE fazendo o MELHOR que podemos. E com vocês aconteceu da mesma forma? Contem aqui, vou adorar saber… bjão a todos e até mais!

Segue mais uma matéria sobre a vida com mais filhos. Clique AQUI, para conferir o post sobre dicas para amenizarmos o ciúme quando a mãe engravida novamente.
image

 

Como tentar amenizar o ciúme do filho quando a mãe engravida novamente?

Oi pessoal! Este post é destinado para as mamães que estão planejando engravidar novamente e também para casos de filhos de casamentos diferentes…precisamos prestar muita atenção nas nossas atitudes para não desencadear ações e/ou sentimentos desnecessários, né?

Bom, tivemos duas situações muito diferentes quando se trata de ciúme e gravidez, porque a diferença de idade entre os irmãos foi muito diferente em cada gestação, confiram…

A primeira foi quando engravidei da Chiara: a Marina, que é filha do primeiro casamento do Juninho, ia fazer 10 anos, queria um irmão loucamente, já entendia toda a situação, mas o medo de ser menos amada, deixar de ser a princesa da familia, por mais que seja um sentimento inconsciente, isto rolou, mesmo porque ela cresceu sendo “a filha única” do dois lados: conosco e também do lado da mãe….tivemos toda uma preocupação de mostrar para ela que nada ia mudar, tentamos participá-la a todo momento de tudo: ultrassons, escolha de roupinhas, ficava colocando o ouvido na minha barriga… mas foi uma eterna relação de medo e felicidade o tempo todo, porque ela não sabia o que ia acontecer.

Quando a Chiara nasceu, tudo mudou: ela viu que nada se modificou,  e o amor dela pela Chiara é algo de outras vidas.

 

Aí fiquei grávida do Benício: como a Chiara tinha apenas 2 anos, a nossa dificuldade era explicar para ela a situação, porque vc. fala que tem um neném dentro da barriga da mamãe, mas eles não entendem, eles não conseguem materializar. Então, a nossa opção foi tentar participar a Chiara em tudo também…decoração do quarto, os adesivos que colamos na parede ela que escolheu…me ajudou a separar as roupinhas para a maternidade e por mais que o médico não permite…tentei não deixar de fazer as coisas com ela: dar banho, carregar no colo…fui até onde o meu corpo permitiu, ela poderia achar que o neném estava vindo para “tirar a mãe dela” ou algo parecido.

Em relação a Marina, também foi diferente e acho que desta vez, pecamos com ela, pois achamos que estava tudo certo, afinal ela tinha vivido a gravidez da Chiara, mas não foi bem assim…ela já estava com quase 13 anos e por incrível que pareça, ela ficou insegura, quando decobrimos que era um menino, não sei se passou pela cabeça de que o pai ia amar mais o menino…e quando o Benício nasceu ela estava viajando, então ela foi conhecer o irmão depois de 2 semanas..houve até uma resistência para ela ir conhecê-lo, acho que insegurança, medo de não amar o irmão como ama a irmã, sei lá, dá para imaginar de tudo… definitivamente, ficsmos tão preocupados com a Chiara que não passou pela nossa cabeça que a Marina poderia estar precisando de mais atenção que ela.

Com o passar do tempo (graças a Deus o TEMPO existe) tudo ficou perfeito…todo mundo ama todo mu ndo, ninguém perdeu espaço, o que acontece hoje, é que a Marina já está uma moça, então ela fica menos com a gente..afinal nesta idade, eles só querem ficar com os amigos e ir para festas, né? hehehehe

Bom, mas vamos as dicas, o que aprendemos com tudo isso:

1 – Dê tempo ao tempo: a criança também precisa do seu espaço e tempo para digerir uma informação

2 – PARTICIPAR: a criança não pode ter o sentimento que o neném vai roubar o seu espaço, os pais, o amor das pessoas….a criança tem que estar envolvida com a situação, tem que participar das decisões e temos que cumprir com o que prometemos, por exemplo, com a chegada do Benício, dois dos irmãos tinham que dormir juntos…quem decidiu quem ia dormir com quem foi a Marina (ela decidiu que ela dormiria com a Chiara e, o Benício teria seu quarto), eles têm que saber que suas opiniões são importantes e se forem coerentes serão atendidas, afinal SOMOS UMA FAMÍLIA!

3 – A gravidez não pode ser vista como algo que atrapalha o outro filho…por exemplo: a mamãe não pode  brincar porque está passando mal por causa da gravidez….com o tempo a criança associa tudo de ruim, temos que nos esforçar e quando não dá (afinal, passamos muito mal)… tentar explicar o processo da gravidez sempre sendo algo mágico e lúdico para a criança entender e ainda “defender” o irmão: a mamãe precisa dormir um pouco porque o seu irmão tb. está com sono,vamos contar uma história juntos para ele ouvir de dentro da barriga e dormir junto com a mamãe?….algo parecido, não sou tão criativa assim…hehehehehe

4- Contar para a criança como que aconteceram as coisas na época dela, eles se sentem importantes…sabe “fulano” quando a gente fez este exame com você, o seu dedinho estava na frente do seu nariz…do seu irmão está na perna…o seu quarto era lilás, do seu irmão é azul…esta roupinha era sua, vamos usar com o seu irmão?

5 – Quando o neném já estiver mexendo, estimular a interatividade entre os irmãos: sentir mexer, colocar o ouvido, fazer com que criança cante para o neném…vocês não têm noção: a Chiara brincava de esconde-esconde com a minha barriga, na verdade com o Benício que estava dentro da barriga hehehehe era muito engraçado!!!

Gente, eu acho que ficava horas aqui contando o que já passamos, o que foi bom ou não, mas o post já está enoooorrrrmmmeeee!!!! Espero que tenham gostado das dicas e conto com mais sugestões, afinal não somos donos da verdade e sempre o que dá certo para gente, pode não dar certo para o outro, né? Então, conto com a participação de todos…beijos!!!