O que fazer com os nossos corações quando precisamos viajar sem os filhos???

Meninas….

Vocês já passaram por isto? Eu já….nada agradável!aff…

Na verdade, resolvi escrever sobre este assunto porque semana passada acompanhei o drama de uma amiga nossa blogueira, a Denise Freitas, do blog Mamy de Primeira. Confiram a história dela no blog…

Com o Benício  ainda não precisei viajar, mas com a Chiara aconteceu logo no meu retorno, quando ela tinha 6 meses. Fiquei dois dias fora de casa e o que me salvou foi que trabalhei tanto, mas tanto….que me deparei com a saudade mais na hora de dormir….aí que percebi que não poderia sentir aquele cheirinho gostoso ao meu lado na cama!

Quando cheguei em casa, abracei tanto, beijei tanto…que quase sufoquei a menina!! A partir disso, organizei as minhas viagens para que fossem realizadas em, no máximo, 3 dias, pois mais que isto eu já estaria me jogando do décimo andar…heheheheh

Não sei se vocês têm a mesma opinião que a minha, mas conforme o seu filho vai crescendo ….fica pior, pois quando ele é bebê, ele sente a sua falta, mas não entende o que está acontecendo…mas quando ele começa a falar…..sai de baixo!!! Vc. quer passar por dentro do telefone ou pela tela do skype para poder estar com ele!!! O coração chora quando ele diz: mamãe estou com saudades…quando você vai voltar? Tem que trabalhar muito ainda???

Nestas horas é difícil dar dicas e opiniões, mas seguem algumas “estratégias” que adotamos em casa:

1 – Tente não ficar sofrendo antes da viagem…isto só vai piorar para vc…. fica aquela angústia e vc. não consegue aproveitar os momentos antes da viagem com seus filhos.

2 – Se seu filho já entende a situação, por mais que ele vá sofrer, conte que vai viajar e quanto tempo vai ficar fora…pois já fizemos o teste de contar e não contar e simplesmente desaparecer……foi terrível! a Chiara chorava direto e ficou muito manhosa!!

3 – Quando estiver viajando…tente ocupar, ao máximo, sua cabeça para não ficar com o pensamento em casa…..pode ter certeza que vai sentir bem menos a distância, afinal os seus filhos estão ótimos, pois se acontecer alguma coisa séria, vc. será a primeira a saber.

4 – Não suma da vida do seu filho durante a viagem…. a criança acalma quando tem algum contato por telefone ou pelo skipe (melhor ainda).

5 – Quando voltar, é importante contar como foi legal a sua viagem, pois seu filho não pode associar com algo negativo..ele tem que gostar de ouvir as suas “aventuras” quando estava longe dele (não sei se é certo ou errado, mas lá em casa sempre rola um presentinho de viagem, coisa simples).

Bom, espero ter ajudado um pouquinho com estas dicas, mas quero saber….e vocês? Qual é a estratégia da família???? Quais foram as experiências de vocês?

Um beijão e até mais….

Você já está com saudades da BARRIGA da sua gravidez???

Meninas….

Como são estranhos os nossos sentimentos, né? Quando estamos grávidas, queremos que nasce logo…quando nasce, queremos a barriga de novo!!! Vai entender…somos mulheres, né????

Comigo foi muito diferente uma gravidez da outra: na da Chiara, eu passei muito mal, então não via a hora que ela nascesse, já do Benício, como sabia que, provavelmente, não ficaria grávida novamente, quis aproveitar até o último momento…se o médico falasse para mim que ele ia nascer de 50 semanas (hehehe) para mim estaria ótimo!!! Valorizei bem mais o status “estar grávida” – cada momento…cada mexida!!!

Atualmente, ainda não estou com saudades da barriga (o Benício está com 8 meses), mesmo porque acredito que não sentimos saudades da barriga em si, mas da sensação extrordinária de sentir o bebê mexer dentro dela!!! Hoje, olho para os meus filhos e fico imaginando como eles puderam ficar tanto tempo lá dentro…é fantástico!!!

No meu caso, a saudade da barriga vai aparecer quando a vida estiver mais “normalizada”, ou seja, quando o Benício ficar um pouco independente como começar a andar, falar…na primeira vez aconteceu quando a Chiara tinha 1 ano e meio, mais ao menos…mas agora não pretendo engravidar novamente…ishiii, mas como vou fazer para matar as saudades!?!? hehehehe (Juninho, brincadeira, não precisa infartar…)

O importante é termos a consciência do momento lindo e único que passamos durante a gravidez e aproveitá-lo o máximo possível e, acima de tudo, agradecer a Deus que nos deu esta oportunidade que nem todas as mulheres têm. Por coinscidência, hoje eu li um post de uma amiga minha, a Flávia de Aguiar, do blog Gravidinhas e Mãezinhas que, no mínimo, me fez refletir tudo isso e agradecer muito ao nosso Pai Maior por ter tido esta benção mágica. Vale a pena conferir: http://gravidinhasemaezinhas.blogspot.com.br/2012/09/rodriguinho-uma-historia-de-fe-e.html

Bom, mas pensando do” lado científico do assunto”, fui atrás de uma matéria da UOL que fala sobre este assunto e sobre o nosso emocional  logo após o pós-parto. Confiram:

“Durante  nove meses que duram uma gestação, a mulher vira o centro das atenções e dos cuidados do seu círculo pessoal e até mesmo de desconhecidos. Todos se preocupam com seu bem-estar e conforto. Afinal qualquer contratempo pode prejudicar sua saúde e a da criança que ela carrega no ventre.

Ao dar à luz, no entanto, mal sai da sala de parto, a nova mãe encontra um contexto bem diferente: encantadas com o recém-nascido, as pessoas deixam de paparicá-la e só têm olhos –e colo, carinho, zelo– para o bebê. Algumas mulheres encaram essa troca numa boa. Outras, porém, mesmo maravilhadas com a maternidade, vivenciam uma espécie de “luto da barriga”, com uma saudade intensa de uma fase em que eram mimadas e ainda não tinham de lidar com noites mal dormidas, choro contínuo e fraldas sujas.

Segundo Ana Merzel Kernkraut, coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, o que geralmente acontece é que algumas mulheres se sentem fragilizadas devido às alterações hormonais, físicas e emocionais que ocorrem durante o parto. Essas mudanças exigem um tempo de acomodação, no qual é necessário o apoio da família ou até de profissionais para auxiliar nos cuidados com o bebê.

QUANDO A TRISTEZA NÃO PASSA

Se após cerca de dez dias do parto a mulher ainda não se sentir bem emocionalmente, é hora de pedir orientação ao obstetra.

“Não é comum a mulher ficar triste e enciumada em função das atenções irem para o bebê, mesmo porque ela também o terá como seu foco”, explica a psicóloga Ana Merzel Kernkraut, do Hospital Albert Einstein.

Ana afirma que a mãe que quer ficar em primeiro lugar diante do nascimento do filho ou que se sente extremamente preocupada a ponto de não confiar a ninguém os cuidados com a criança também requer ajuda médica.

Segundo o ginecologista e obstetra Sérgio Floriano Toledo, os casos em que a mulher sente medo de cuidar do bebê ou ansiedade excessiva em relação ao cotidiano podem sinalizar depressão pós-parto.

“O problema costuma aparecer por volta da terceira ou quarta semana após o nascimento da criança e acomete de 10% a 20% das mulheres.”

Se o diagnóstico for confirmado, é necessário tratamento adequado com psicoterapia e/ou medicamentos.

“Trata-se de um fenômeno conhecido como ‘baby blues’, que é um estado leve de depressão. A mulher pode se sentir entristecida, chorosa e até regredida emocionalmente”, explica a psicóloga. Na maioria dos casos um estado transitório, o “baby blues” pode evoluir para a depressão pós-parto e é preciso estar atento para perceber quando o limite da tristeza foi ultrapassado.

De acordo com Sérgio Floriano Toledo, da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo), essa manifestação, também chamada de tristeza pós-parto, acomete em menor ou maior grau de 50% a 80% das mulheres que acabam de dar à luz.

“Os sintomas incluem crises de choro, ansiedade, irritação e falta de concentração e surgem depois de três ou quatro dias depois do parto”, conta o especialista. É uma fase em que é preciso se acostumar a ser uma “ex-grávida”  e que parece que nunca mais vai embora, mas some naturalmente após uns dez dias aproximadamente.

“Entender que o ‘baby blues’ é natural e transitório ajuda muito a enfrentá-lo”, diz Toledo. Embora o sentimento seja passageiro, a atenção da família é fundamental no período pós-parto, não importando se a mulher é mãe de primeira viagem ou se o bebê é seu segundo ou oitavo filho. É fundamental não sentir culpa pelos sintomas. Muitas mulheres, mesmo felizes com a criança, sentem saudade da presença da barriga, de acariciá-la, dos movimentos do bebê que sentia.

Quem se identificou pode respirar aliviada: isso é perfeitamente normal e mais comum entre aquelas que tiveram uma gestação agradável, sem sustos ou incômodos. “Para quem planejou e curtiu muito a gravidez, é natural sentir saudade dessa fase, pois é a lembrança de um bom período e sentimos falta das coisas boas pelas quais passamos na vida”, diz Ana Merzel Kernkraut, do Hospital Albert Einstein”

 

E vocês, já sentem saudades da BARRIGA?

bjão a todas e até mais.

 

 

 

 

 

Terminando a licença maternidade? E agora voltar a trabalhar ou ficar em casa?

Oi gente!!!

Que tema polêmico escolhi, hein???

Como este período é difícil! A mulher repensa todos os seus valores: o que realmente importa para vida???? E acredito que se pudesse escolher, escolheria ficar pelo menos os 2 primeiros anos em casa com seu filho e depois tomaria a decisão definitiva do que fazer.

Mas, como muitas vezes não temos escolhas… a volta ao trabalho é inevitável e então precisamos tentar lidar com este assunto da maneira mais tranquila possível. O que posso falar para vocês é que a gente se acostuma…os primeiros dias são terríveis, vc. tem vontade de fugir, voltar para casa, chora, tem aperto no coração, mas tudo isto passa! E com o passar do tempo se acostuma. O que ainda me dói é não ver todas as evoluções dos meus filhos…sabem aqueles livrinhos que você escreve “quem foi a pessoa que viu primeiro ele sentar? primeiro sorriso? primeiro dente?…” os que eu tenho sempre está escrito o nome da moça que cuida dos meus filhos desde que eles nasceram, mas fazer o quê? Ainda bem que tive a oportunidade de ter uma pessoa de confiança ao meu lado que ama meus filhos e dá todo o carinho que eles necessitam.. afinal, sempre precisamos olhar do lado positivo das coisas…hehehehe

O que aconselho é que a volta ao trabalho não seja de uma vez! Comece a ir pequenos períodos do dia, depois meio período, com o passar do tempo aumente as horas.

Stressar logo no começo não dá…senão seu leite vai embora em segundos! Manter a calma é essencial.

Priorize os horários: agora você tem alguém esperando por você todos os dias. Não dá mais para ficar até mais tarde para  adiantar as tarefas profissionais.

Quando chegar em casa: esqueça de tudo…dê atenção ao seu filho…ele precisa do seu carinho. Temos que priorizar a qualidade e não mais a quantidade!!!

O coração anda apertado? Desabafa! Conversar com pessoas que já passaram por isso ajuda muito!

E o mais importante: se vc. vai deixar seu filho na escola, com a babá, ou na casa da avó…vc. tem que estar tranquila…porque trabalhar preocupada não dá certo! Você não faz nem uma coisa, nem outra. Segue o link de um post que o Juninho fez sobre a escolha entre escolinha e babá http://viverbembom.com.br/escolher-entre-creche-e-baba/

Agora, conheço pessoas que voltaram a trabalhar e não conseguiram e hoje mudaram o seu estilo de vida: trabalham em casa e ficam com seus filhos, outras simplesmente resolveram se dedicar à vida de mãe, e ainda há o grupo que não vive sem a sua vida profissional.

Todas as decisões são válidas e o mais importante é a gente esteja feliz! Lógico, que tudo na vida tem os prós e contras e precisamos lidar com isso. Eu sempre brinco que quando a mulher vira mãe, deveria ter uma lei que determinava que nós só poderíamos trabalhar meio período, porque o outro meio período o nosso trabalho seria ficar com os nossos filhos. Para mim, este é o ideal. E para você? Deixe seu depoimento e conte como foi sua volta ao trabalho!!!!

 

E para registrar um pouco do meu tempo com meus filhos, segue uma foto do nosso final de semana que foi uma delícia!!! Um beijo e até mais…

 

 

O que fazer quando a criança sente SAUDADES…

Oi gente!!!

Esta palavra SAUDADES é muito forte, né?

Ouvi muitas e muitas vezes enquanto o Juninho estava viajando. Afinal de contas ele ficou 20 dias fora e imaginem a Chiara como ficou… simplesmente o pai é tudo para ela!!!

Havia momentos em que eu ficava com dó, outros ficava irritada pela situação e ainda existiam outros que eu tentava entretê-la com alguma história para ela esquecer…mas posso afirmar que foi muito difícil!!!

O comportamento da Chiara variou bastante: no começo, ela não perguntava do pai, depois tudo chamava o pai… chorava sem motivos e pedia por ele, no final então…ficou terrível…estava manhosa, chorona e muito birrenta.

O Juninho falava com ela quase todos os dias por Nextel (foi o que ajudou muito) e de vez em quando conseguíamos nos ver pelo Skype.

Pensando nisso, fui atrás de uma resposta da Revista Crescer a uma leitora que aborda este assunto para verificar se fiz algo direito. Confiram:

O link é resposta Revista Crescer


Beto Tchernobilsky

Pais longe de casa 
Quando o pai ou a mãe precisam viajar a trabalho, a reação da criança é a mesma: fica triste, manhosa, teme que não volte mais. Como em muitos casos, o diálogo é a melhor opção. Explique o quanto esse trabalho é importante para a família. Para amenizar a saudade dela (e a sua também) ligue sempre para casa, converse com o seu filho, queira saber do seu dia-a-dia, ajude a resolver possíveis problemas. Pode também deixar recadinhos escondidos para ele achar pela casa ou no material escolar. “Dessa forma, a criança saberá que não foi esquecida, se sentirá valorizada e vai guardar uma mensagem positiva desta época”, diz Lourdes Brunini, psicóloga, diretora da Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo. 

Resposta à dúvida da leitora Patrícia, por e-mail
Bom, depois desta resposta acredito que fizemos algo certo!!!! Da próxima vez, vamos aprimorar mais…espero que não seja tão cedo… quero ficar com SAUDADES deste episódio…hehehe