Quando mudamos de cidade é saudável levar a criança para matar a saudade dos amigos?

Oi pessoal?

Que dilema este tema, né? Pois bem, na semana passada, passamos dois dias em Ribeirão Preto resolvendo alguns assuntos e nos deparamos com uma questão importantíssima: como reagir com a Chiara?!? Ela deu tanto trabalho de adaptação e, bem agora, depois de 5 meses da mudança, que tudo parece estar voltando à normalidade, vamos colocá-la novamente em desiquilíbrio emocional??? Afinal, rever os amigos é bom ou ruim???

Vocês podem imaginar como ficou a nossa cabeça… mas ao mesmo tempo, ela estava tão feliz de estar na cidade que ela nasceu…não parava de falar dos amigos, do local onde morava… tenho que confessar que não tinha noção nenhuma do que fazer!!! Meu marido queria poupá-la ao máximo… eu já queria tratar o assunto com naturalidade, ou seja, deixá-la rever as pessoas sem restrição e, no fim… o destino tratou de ajeitar a situação. Vocês devem estar se perguntando: como assim, Camila? Destino??? Isto mesmo! Já vou explicar…

O meu desejo era levá-la à escola para reencontrar os amigos e as professoras e levá-la ao condomínio onde morávamos para reencontrar os amigos de lá, mas em conversa com o maridão, cedi algumas coisas e ele outras… ou seja, sabíamos de duas pessoas que ela não poderia deixar de ver: seu super amigo GuiGui e a sua segunda mãe, a “Bá” dela (a Vânia, que cuidou dela desde que nasceu!) Se ela não os encontrasse, ela morreria hehehehe… Então, concordei em não levá-la à escola e ela passou uma tarde inteira com o amigo em um shopping e encontrou com a “Bá” logo que chegou. Pronto, as duas pessoas mais requisitadas garantidas!!! Agora, onde entra o destino? Como cedi na escola, o Juninho cedeu no condomínio, então ela iria ao condomínio comigo, mas a tarde foi tão intensa com o Gui que ela simplesmente, desmaiou de cansaço, não acordou por nada! Sem falar que a falta de tempo também foi um fator complicador, ou íamos nos locais na hora exata ou não íamos mais!

viver bem bom blog dá família amizade saudade

No final das contas, ela pôde rever muitas pessoas que eram do convívio dela, mas ela não estava no meio onde ela vivia… que acredito que foi positivo… foi emocionante rever o Pediatra deles tão querido (Dr. Valentim), a nossa super cabeleireira (Fani), a nossa companheira de sempre…Tia Crisss, sem falar de amigos de tantos anos… que se fosse descrever, seria uma lista imensa! Foram todos encontros rápidos, mas que já serviu para nos sentirmos em casa! Sabemos que não deu tempo de rever nem 1/3 das pessoas que gostaríamos de visitar…

viverbembom dona fiuca ribeirão preto blogdafamilia

Mas, afinal de contas, qual é a conclusão que podemos tirar desta situação? Foi bom ou ruim?

A meu ver, foi ótimo! Pois, em nenhum momento, ela refugou dizendo que queria voltar a morar em Ribeirão Preto ou chorar na hora de dizer tchau… Para dizer a verdade, parecia um”mini adulto”: ficou muito, mas muito feliz de rever as pessoas e contar das suas novidades de Santos e na hora de dizer tchau falou que estava esperando todo mundo nas férias! Linda, né?

Por um outro lado, descobri que ela está com uma queda de cabelo um pouco forte, que pode ser resultado de tudo que passou emocionalmente, portanto acredito que não ter dado certo tudo que estava proposto, foi bom também!

Outro ponto que acredito que ajudou muito, foi a super IRMÃ “Tatá” ter ido viajar no feriado conosco, afinal fazia mais de uma mês que não a víamos e todos estávamos com muitas saudades!

Cabine avião viver bem bom blog dá família

Agora, a maior certeza de que tudo deu certo, foi hoje ela ir para a escola toda feliz porque queria contar aos seus amigos todas as novidades da semana passada!!!

Será que posso considerar a adaptação uma página virada??? Lógico que SENTIR SAUDADES é algo que faz parte de nós! E considero um sentimento positivo, afinal mostra que demonstramos afeto e amor para com as pessoas que nos rodeiam. Sentimos saudades não só das pessoas, mas também de locais, de épocas que já vivemos…

Qual é a opinião de vocês? Já passaram ou passam pela mesma situação? Vamos compartilhar nossas experiências… assim o coração de mãe fica mais calmo hehehehehe! um beijão e até mais…

 

 

 

Dicas para não começar a semana “de cabeça para baixo”

Oi pessoal! Tudo bem?
Bom, resolvi escrever este post porque sempre tenho a impressão que tudo está desarrumado, que sempre estou atrasada, sempre estou correndo… vocês possuem a mesma sensação?????
Pensando nisso, implantei algumas estratégicas básicas no meu dia-a-dia que nem sempre consigo cumprir porque bate aquela preguiça, mas quando dá certo tenho a certeza que preciso colocar mais vezes em prática.

Ah, antes de contar quais são as dicas, quero deixar claro que todas são adaptadas a cada dia, afinal quem tem filhos nada é eterno… eles conseguem mudar o tempo todo o nossa rotina!!! hehehehe….

Vamos lá:

1- Acordar todos os dias 20 minutos mais cedo, faz a diferença! Podem acreditar… Você se arruma com mais tranqüilidade, consegue sentar para tomar café, dá para respirar. Agora, isto só acontece se seus filhos não inventam acordar mais cedo também.Pensando pelo lado positivo, se acordarem ainda estamos 20 minutos na frente.

2- Arrume tudo no dia anterior: há dias que estou naquela preguiça, afinal de contas, não funciono à noite… mas tento me esforçar para deixar roupas separadas, uniformes, mochilas da escola arrumadas, mamadeiras lavadas… no outro dia de manhã, este esforço valerá a pena!

IMG_1235

IMG_1234

3 – Brinquedos – não sei na casa de vocês, mas na minha em 5 minutos em que as crianças estão em casa, parece que a revolução dos brinquedos aconteceu!!! Sabe aquela cena do Toy Story 3, da creche… tudo bem que eles cuidam dos brinquedos, mas a cena de tudo espalhado é igual!!! Ainda não consegui fazer com que arrumem  antes de irem dormir (agora que a Chiara está começando a arrumar do jeito dela, ou seja, aquele arrumado todo amontoado hehehehe), mas estando ajeitado ou não, tentamos deixar tudo ok antes de irmos para a cama.

download

4- Roupas, sapatos, acessórios espalhados pela casa: seria tudo mais fácil se o maridão e as crianças soubessem pegar e devolver no mesmo local, mas como isto não acontece… fico igual louca recolhendo o que está espalhado… juro que qualquer dia vou fazer greve…será que dá certo??? Bom, esta ordem da casa quase sempre fica para o dia seguinte, mas tento me esforçar para arrumar antes.

 

20121227_213521 (1)

Não posso reclamar do meu marido, apesar dele ser superrrrrr desligado e bagunceiro, ele me ajuda muito com as crianças…lá em casa é o esquema de todo mundo tem que se ajudar e tentamos dividir as tarefas..tudo bem que algumas coisas homem fazer não dá certo…hehehehe, mas vamos tentando!!!

 

Com todos estes itens cumpridos, as chances de no outro dia você acordar e se arrumar com mais tranquilidade são maiores, mas não são GARANTIDAS!!!! rsrsrs… isto é vida com filhos!!! Amamos muito tudo isto!!!

E na casa de vocês, acontece tudo igualzinho só muda o endereço? Vc. tem a impressão de sair para trabalhar ou fazer outros afazeres e já estar acabada logo no começo do dia??? Contem para nós quais são as estratégias para otimizar tempo e stress! Podem ajudar muitas famílias…

Um grande bj e até mais!

 

Sugestão de viagem em família – Brotas Eco Resort

Oi gente! Tudo bem?

 

Como todos sabem, gostamos muito de viajar e, neste final de semana, pudemos aproveitar um local muito gostoso para a diversão em família.

É o Brotas Eco Resort, que fica na cidade de Brotas, a 248 km da cidade de São Paulo. Desde a época de namoro, nós freqüentávamos este local para fazer atividades radicais e agora aproveitamos mais light com as crianças.

No vídeo, vocês verão as imagens mostrando um pouco sobre a infraestrutura do local: piscinas, playgrounds, refeitórios, fazendinha, monitoria, enfermaria, brinquedoteca, ou seja, amo este local porque em todas as atividades é possível aproveitar muito com as crianças. Sem falar da comida super caseira. Uma delícia! É produzida inteiramente com os produtos produzidos na fazenda.

E, se por acaso, vocês curtirem atividades de ecoturismo, como rafting, rapel, bóia cross… há a possibilidade de deixar as crianças com babás que o hotel oferece. Agora, se as crianças tiverem por volta de 5 anos, há o rafting infantil também.

E o que achei mais interessante: se a família tiver animal de estimação, não há problemas!!! Eles autorizam a entrada  no resort…não é o máximo? É porque realmente não atrapalha, pois o local é muito grande e os quartos são bem independentes.

Fica a dica para as férias, feriados e finais de semanas!

O site do Brotas Eco Resort é: http://www.brotasecoresort.com.br/

Telefone para contato: (19) 7831-3214 – Rodrigo

Confiram o vídeo….

Um beijão e até mais!

 

O que muda no orçamento familiar com a chegada de um filho? Dois, três, quatro…

Oi gente!

Quem nunca ouviu dizer de uma amiga a seguinte frase: “preciso me estabilizar financeiramente para pensar em ter filhos” ou “terei apenas um filho porque quero dar o melhor para ele, com mais não teria condições” e assim por diante.

Já no começo do post quero deixar claro que é um assunto polêmico, pois uns acreditam que apenas o AMOR cobre todas as deficiências financeiras, outros acreditam que para a criança estar bem, ela precisa estudar na melhor escola da cidade e os pais precisam guardar dinheiro para que possa fazer intercâmbio aos 15 anos. Para nós, família Viver Bem Bom acreditamos que precisamos do meio termo e que a realidade de cada família também determina os seus valores, ou seja, há famílias que viajar para a Disney é a maior conquista, para outros o fato de conhecer a praia é a maior realização da vida. Agora, esquecendo todas estas variáveis, é inevitável que o orçamento da família aumente, a expressão “onde come 1 comem 2…não é “diretamente proporcional” heheheheheheheh

Bom, mas vamos ao que interessa:

1 – Por mais que seja inevitável, quando souber que está grávida, não saia correndo, igual uma “louca”, comprando tudo que vê pela frente… afinal ganha-se muito presente: as pessoas presenteiam no momento da notícia, no chá de bebê, na maternidade, na visita em casa… compre apenas o que estiver faltando mesmo!!! E se tiver ganho muita roupa P e M, troque por G, 1 ano….pois eles perdem muito rápido e depois a compra de roupa fica só para a família!!!hehehehehe

2 – Ah, muito provável que o quarto do bebê seja vc. quem compre e decore. Dica: não precisa ser o super top, pois muitas vezes o bebê nem dormirá no quarto por um bom período…o quarto dos meus filhos só serviram para tirar fotos e guardar de recordação no albúm.. nunca aproveitaram do jeito que merecia!

3 – Se vc. trabalha, quem ficará com seu filho: escola, babá ou algum parente? Se optou pelas duas iniciais, pode considerar R$1.000,00 a R$ 1.500,00 destinado a este assunto (acredito que seja o item mais caro!)

4 – Fraldas, fraldas, fraldas e mais fraldas…. Dica: chá de fraldas, por favor!!! Você economizará pelo menos de 6 a 8 meses, aproximadamente. Pensando que a criança usa fralda até 2 anos, 2 anos e meio… pode-se considerar que houve uma bela economia! Hoje, o Benício com 1 ano, gasto em média, R$ 100,00 a R$ 150,00 fraldas por mês (pampers verde).

5 – Leite em pó – com o Benício tive muita economia neste item, afinal ele mama no peito até hoje… mas a Chiara usou desde os 5 meses os leites próprios que custam entre R$ 20,00 a R$ 30,00 a lata (os mais simples, pois há os que custam mais de R$ 50,00 uma lata)…se a lata dura em média 3/4 dias…. vc. gastará umas 7 latas por mês….resultado: R$ 200,00 a mais no orçamento….Depois de 1 ano a Chiara começou a tomar Ninho normal, o que reduziu pela metade este gasto.

6 – Remédios….affff! Preparem-se, afinal tenho certeza que se vc. não tem filho, nem caixa de remédios vc. deve ter em casa….hehehehe, mas quando nasce tudo muda: remédios e mais remédios….. de todos os tipos, de todos os preços, os que não podem faltar nunca!!!

7 – No meu caso, o pediatra das crianças saiu do plano médico e a mamãe “fresca” quis pagar particular porque ele já estava acostumado com a família (agora mudei de cidade, e os dois nem estão indo em consultas, porque não achei nenhum pediatra….absurdo, né? Ou 8 ou 80!!!) Isto é para provar que nós também somos muito exigentes e queremos dar o que achamos melhor, mas quando somos retirados da nossa realidade, a regra muda e não é por isto que eles não estão saudáveis.

8 –  Brinquedos e acessórios diversos: todos vocês sabem que sou consumista, que um dia vou mudar, mas hoje  sou mais criança que eles… fico louca para completar uma coleção! E os marketeiros de hoje sabem disso, afinal todos os brinquedos são feitos por parte… ehehehehehe vc. ganha um e depois compra os outros 100!!!! Agora, sem exageros: por mais que vc. é controlado, sempre acaba comprando algum acessório, pois o filho pediu ou achou-se necessário….mesmo que mínimo, há um gasto com este item!

9 – Alimentação: neste quesito, há diversas variáveis – se a sua família come muito em casa, é lógico que o gasto é menor, porém conforme a criança vai crescendo, vc. vai gastando com aqueles alimentos de criança: danoninho, bisnaguinha, sucrilhos, farinha láctea, bolacha, suco Kapo…. se vai para escola: o seu orçamento aumenta porque precisa comprar lanche para levar (a não ser que estude em escolas que já fornecem o lanche, mas vc. estará pagando por isto tb.). Agora, quando saímos para comer fora..a falência chega!!! Só para vcs. terem noção: um Mc Donalds gastamos em média R$ 75,00 (eu, Juninho, Marina, Chiara), isto que o Benício ainda não come lá..depois poderemos acrescentar mais R$14,00..total R$ 90,00…. imagina um restaurante para valer???

10 – Passeios, parques, viagens, cinemas: não adianta, por mais que a sua família seja a favor das praças públicas, da praia, praticar esporte ao ar livre…vai chegar um mmento que vc, vai se deparar com um Hopi Hari, Parque da Xuxa,  pipoca de cinema, balão de gás hélio das Princesas ou do Carros….uma saída completa não  sai por menos de R$ 250,00.

entre outros detalhes que aparecem no meio do caminho: um curso específico, material escolar, uniforme, um passeio da escola, presente dia dos pais, dias das mães,natal, dia das crianças, páscoa, poupança, investimento para a faculdade… a lista não acaba!!!!

 

CALMA!!!! Desanimou? Nem pensar!

Ter filhos é a melhor coisa do mundo e todos sabem que por mim teria uns 5, 6,7… O que precisamos pensar é que não adianta também ter tudo e não ter o mais importante que é o AMOR!!! Temos que verificar se estamos ao lado deles, vendo todas as suas mudanças, o crescimento…pois não adianta nada trabalhar igual uma maluca para dar a parte financeira e não ficar com os nossos filhos!!!

Tudo é adaptável e para tudo dá-se um jeito… precisamos analisar se estamos comprando para eles ou para nós! Um barquinho feito de papel talvez tenha muito mais significado do que a coleção inteira da Barbie!!! Fazer um piquenique em casa, talvez seja muito mais legal do que ir para um restaurante TOP! Ter um berço desmontável ao lado da cama dos pais talvez seja muito mais aconchegante, do que ter um quarto super decorado e maravilhoso…não precisamos comprar roupas chiquérrimas, sendo que eles perderão rapidamente, hoje está muito na moda os “desapegos” na internet que são roupas semi novas e muitas vezes de marca, a um preço super acessível!

O que quero dizer é que podemos adaptar tudo, se deixamos de lado o que os outros pensam, querem ou o que a moda diz, estamos mais ABERTOS à mudanças, afinal gastamos poque a sociedade diz o que é certo ou o errado, sendo que, na verdade, não existe um modelo ideal… há o modelo da sua família, o que é melhor para vocês!!!

Lógico que precisamos ter um preparo financeiro sim, mas tudo se acomoda com o passar do tempo!!! Felicidade é AMOR!!! Pensem nisto, na hora de decidir… e vamos sempre usando a imaginação para equilibar o orçamento. quem nunca fez isto, né?????hehehehehehehe

Bjs a todas!

 

Estamos de volta e de vida nova! Como estamos lidando com as crianças perante todas estas mudanças…

Oi gente! Que saudades….
Parece uma eternidade que não escrevo, mas apenas passaram-se 20 dias, afinal a família Viver Bem Bom estava tentando colocar a vida em ordem!
Bom, vou contar aqui para vocês um pouco das nossas férias no litoral catarinense, dar dicas de passeios, o que não é legal fazer com as  crianças quando estamos viajando….mas isto é assunto para outro post.
HOJE, quero falar sobre todas estas mudanças, como a Chiara, principalmente, está  lidando…
Para quem ainda não sabe, mudamos de cidade (motivo: trabalho), decidimos em 20 dias, agora estamos em Santos. Com isto, vieram várias questões que não tínhamos pensado: além da mudança de escola, óbvio… muda pediatra, dentista, amigos, rotina, aprender a viver em apartamento, perder medo da casa nova…. Como fica a cabeça da criança???
Deixamos em Ribeirão Preto muitas pessoas amigas e que tínhamos um certo “conforto”, pois realmente faziam parte da nossa vida, por exemplo, o pediatra da Chiara a viu  nascer! Sabe tudo dela…os dois se amam de paixão…. o que quero dizer é que não tiramos dela só os amigos, tiramos toda referência de vida!!!!
Bom, como estamos??? As aulas ainda não começaram para falar da adaptação a escola, mas a questão de ser praia está ajudando muito, pois se temos um tempinho a levamos para brincar, ainda bem q o apartamento é mais antigo e grande, acredito que o vizinho de baixo não escuta muita coisa, pois viver em apto ainda ela não aprendeu… deixa cair brinquedo, anda de bicicleta, pula adoidado hehehehehe….
O Juninho já era neurótico na casa em RP  em relação as redes de proteção, imagina agora….as crianças não entraram no apto enquanto as redes não estavam instaladas! Concordo plenamente, acidente acontece em segundos!
A gente não pensa em detalhes, mas até o elevador tivemos que explicar tintim por tintim todos os cuidados, não estava acostumada pegar elevador….ela abria a porta de casa e ia brincar na rua ou na casa dos amigos, sem medo!
A Chiara ainda está sem amigos para brincar, isto é que está difícil, pois sempre fala que está com saudades dos de RP (sempre liga para um no faz de conta…contando sobre o seu dia) e sem amigos ela fica muito grudada na gente, só que nem sempre conseguimos estar brincando… quando estamos em casa,  a prioridade é a brincadeira, mas temos que fazer comida, lavar roupa, arrumar a casa, temos o  Benício que está em uma fase difícil que só quer  andar, mas não anda ainda….só cai e dá susto (não dá para largar um segundo) e ela também quer e precisa de atenção total! Percebo que está carente, está fazendo algumas birras que não fazia antes, o comportamento está alterado. O que está nos ajudando muito é que a moça que trabalhava comigo em RP está passando o mês de janeiro conosco, então enquanto uma está arrumando a casa, a outra está com as crianças e quando eu saio ela só cuida das crianças sem piscar!
Em resumo, quero muito que as aulas comecem para a Chiara brincar com crianças e fazer novas amizades. Aí acredito que tudo vai melhorar e ela vai se sentir mais parte de  Santos!
A notícia boa é que já mudei muito de cidade e sei que é difícil, mas tudo dá certo e acostumamos com a nossa nova vida brevemente… estes dias o Juninho estava em depressão que não tinha amigos, que não conhecia ninguém… hehehehehe tirei sarro, mas ele entrou numa “fobia” por causa disso, realmente precisamos respeitar o momento e o tempo de cada um!
E eu? Estou feliz! Às vezes bate uma insegurança de preocupação com o nosso futuro, mas aprendi a me adaptar rapidamente, CONFIO EM DEUS e sei que tudo vai dar certo.
E vcs., já passaram ou estão passando por isso? Será que estou lidando da melhor forma com a Chiara? Deixem seus comentários…um grande beijo a todos, estava com saudades!

Vejam algumas fotos de passeios que já fizemos em Santos.

image

image

image

Vocês se sentem culpadas quando saem para trabalhar e deixam seus filhos?

Oi gente!

Este post estou fazendo para a Campanha CULPA NÃO da revista Pais & Filhos.

Todos os meses eles debatem  um assunto polêmico da maternidade que de alguma maneira nos trazem o sentimento de culpa, segue o link do facebook: https://www.facebook.com/#!/culpanao?fref=ts.

No mês de outubro é sobre a culpa que sentimos ao deixarmos nossos filhos para irmos trabalhar…e eu me identifiquei muito com este tema, afinal tenho aquela vida louca como a maioria das mães de hoje: trabalha, leva filho para a escola, dá comida, faz tarefa, arruma mala da escola, casa, marido….

Já me questionei várias vezes, o quanto valia a pena todo este esforço para uma “estabilidade financeira” e por outro lado não acompanhar o crescimento dos meus filhos…será que eles precisam ter tanto “conforto”? Isto vale a pena ficar longe da mãe? Será que crescerão crianças carentes? Um turbilhão de pensamentos e culpas vão surgindo ao mesmo tempo e, cada vez mais, nos cobramos para sermos uma MÃE melhor!

Também fico pensando: e quando eles crescerem….se eu parar de trabalhar…vou ser aquela mãe que só cuida da vida dos filhos? Vou me sentir inútil? E quando saírem de casa?…..ai meu Deus, vou me “jogar pela janela” hehehehehe.

Para quem me conhece, sabe que o ideal para mim seria trabalhar meio período, é o meu sonho de consumo… não seria nem 100% profissional, nem 100% mãe… o que falta é coragem para tomar esta decisão, afinal para tudo na vida dá-se um jeito…mas aí surge um outro sentimento de culpa…se trabalhar menos, vou ganhar menos, então  meus filhos vão ter que mudar de escola, não poderemos almoçar fora com frequência, nem dar aquele brinquedo que eles tanto querem….afffffff, confundimos tudo!!! Queremos dar amor em excesso, queremos estar ao lado dos nossos filhos em tempo integral, mas também queremos que eles tenham uma vida de reis e rainhas!!! Nem tudo na vida é possível…na verdade, este assunto é quase filosófico… a discussão nunca acaba, sempre há um porém, contudo, entretanto!

Admiro amigas que deixaram tudo para se dedicar ao filho e hoje se reinventaram para terem uma vida financeira estabilizada, mas também admiro as minhas amigas super profissionais que lidam com tranquilidade esta questão  e quando estão com os filhos, aproveitam cada segundo!!! E hoje é que estou colocando em prática (pelo menos tentando), se tenho três horas por dia para ficar com os meus filhos…tenho que transformá-las nas melhores horas do dia deles. Afinal, se eles são a nossa razão de viver, eles têm que saber e sentir que isto é a mais pura verdade….eles têm que saber  que depois que viramos mães, não tomamos nenhuma decisão sem pensar neles…e se estamos pendentes com tempo disponível, precisamos priorizar a qualidade! Precisamos apertar o botão de OFF e estar somente com eles de corpo e alma!

Bom, fácil falar, difícil executar, pois a culpa  está sempre nos assustando!!!

O importante é estarmos felizes, estarmos em busca da felicidade plena! E a culpa não combina com este sentimento, portanto meninas….CULPA NÃO!!! Será que conseguimos???

E vocês….como lidam com este sentimento?

bjs a todas…

 

 

 

 

Terminando a licença maternidade? E agora voltar a trabalhar ou ficar em casa?

Oi gente!!!

Que tema polêmico escolhi, hein???

Como este período é difícil! A mulher repensa todos os seus valores: o que realmente importa para vida???? E acredito que se pudesse escolher, escolheria ficar pelo menos os 2 primeiros anos em casa com seu filho e depois tomaria a decisão definitiva do que fazer.

Mas, como muitas vezes não temos escolhas… a volta ao trabalho é inevitável e então precisamos tentar lidar com este assunto da maneira mais tranquila possível. O que posso falar para vocês é que a gente se acostuma…os primeiros dias são terríveis, vc. tem vontade de fugir, voltar para casa, chora, tem aperto no coração, mas tudo isto passa! E com o passar do tempo se acostuma. O que ainda me dói é não ver todas as evoluções dos meus filhos…sabem aqueles livrinhos que você escreve “quem foi a pessoa que viu primeiro ele sentar? primeiro sorriso? primeiro dente?…” os que eu tenho sempre está escrito o nome da moça que cuida dos meus filhos desde que eles nasceram, mas fazer o quê? Ainda bem que tive a oportunidade de ter uma pessoa de confiança ao meu lado que ama meus filhos e dá todo o carinho que eles necessitam.. afinal, sempre precisamos olhar do lado positivo das coisas…hehehehe

O que aconselho é que a volta ao trabalho não seja de uma vez! Comece a ir pequenos períodos do dia, depois meio período, com o passar do tempo aumente as horas.

Stressar logo no começo não dá…senão seu leite vai embora em segundos! Manter a calma é essencial.

Priorize os horários: agora você tem alguém esperando por você todos os dias. Não dá mais para ficar até mais tarde para  adiantar as tarefas profissionais.

Quando chegar em casa: esqueça de tudo…dê atenção ao seu filho…ele precisa do seu carinho. Temos que priorizar a qualidade e não mais a quantidade!!!

O coração anda apertado? Desabafa! Conversar com pessoas que já passaram por isso ajuda muito!

E o mais importante: se vc. vai deixar seu filho na escola, com a babá, ou na casa da avó…vc. tem que estar tranquila…porque trabalhar preocupada não dá certo! Você não faz nem uma coisa, nem outra. Segue o link de um post que o Juninho fez sobre a escolha entre escolinha e babá http://viverbembom.com.br/escolher-entre-creche-e-baba/

Agora, conheço pessoas que voltaram a trabalhar e não conseguiram e hoje mudaram o seu estilo de vida: trabalham em casa e ficam com seus filhos, outras simplesmente resolveram se dedicar à vida de mãe, e ainda há o grupo que não vive sem a sua vida profissional.

Todas as decisões são válidas e o mais importante é a gente esteja feliz! Lógico, que tudo na vida tem os prós e contras e precisamos lidar com isso. Eu sempre brinco que quando a mulher vira mãe, deveria ter uma lei que determinava que nós só poderíamos trabalhar meio período, porque o outro meio período o nosso trabalho seria ficar com os nossos filhos. Para mim, este é o ideal. E para você? Deixe seu depoimento e conte como foi sua volta ao trabalho!!!!

 

E para registrar um pouco do meu tempo com meus filhos, segue uma foto do nosso final de semana que foi uma delícia!!! Um beijo e até mais…