O que muda no orçamento familiar com a chegada de um filho? Dois, três, quatro…

Oi gente!

Quem nunca ouviu dizer de uma amiga a seguinte frase: “preciso me estabilizar financeiramente para pensar em ter filhos” ou “terei apenas um filho porque quero dar o melhor para ele, com mais não teria condições” e assim por diante.

Já no começo do post quero deixar claro que é um assunto polêmico, pois uns acreditam que apenas o AMOR cobre todas as deficiências financeiras, outros acreditam que para a criança estar bem, ela precisa estudar na melhor escola da cidade e os pais precisam guardar dinheiro para que possa fazer intercâmbio aos 15 anos. Para nós, família Viver Bem Bom acreditamos que precisamos do meio termo e que a realidade de cada família também determina os seus valores, ou seja, há famílias que viajar para a Disney é a maior conquista, para outros o fato de conhecer a praia é a maior realização da vida. Agora, esquecendo todas estas variáveis, é inevitável que o orçamento da família aumente, a expressão “onde come 1 comem 2…não é “diretamente proporcional” heheheheheheheh

Bom, mas vamos ao que interessa:

1 – Por mais que seja inevitável, quando souber que está grávida, não saia correndo, igual uma “louca”, comprando tudo que vê pela frente… afinal ganha-se muito presente: as pessoas presenteiam no momento da notícia, no chá de bebê, na maternidade, na visita em casa… compre apenas o que estiver faltando mesmo!!! E se tiver ganho muita roupa P e M, troque por G, 1 ano….pois eles perdem muito rápido e depois a compra de roupa fica só para a família!!!hehehehehe

2 – Ah, muito provável que o quarto do bebê seja vc. quem compre e decore. Dica: não precisa ser o super top, pois muitas vezes o bebê nem dormirá no quarto por um bom período…o quarto dos meus filhos só serviram para tirar fotos e guardar de recordação no albúm.. nunca aproveitaram do jeito que merecia!

3 – Se vc. trabalha, quem ficará com seu filho: escola, babá ou algum parente? Se optou pelas duas iniciais, pode considerar R$1.000,00 a R$ 1.500,00 destinado a este assunto (acredito que seja o item mais caro!)

4 – Fraldas, fraldas, fraldas e mais fraldas…. Dica: chá de fraldas, por favor!!! Você economizará pelo menos de 6 a 8 meses, aproximadamente. Pensando que a criança usa fralda até 2 anos, 2 anos e meio… pode-se considerar que houve uma bela economia! Hoje, o Benício com 1 ano, gasto em média, R$ 100,00 a R$ 150,00 fraldas por mês (pampers verde).

5 – Leite em pó – com o Benício tive muita economia neste item, afinal ele mama no peito até hoje… mas a Chiara usou desde os 5 meses os leites próprios que custam entre R$ 20,00 a R$ 30,00 a lata (os mais simples, pois há os que custam mais de R$ 50,00 uma lata)…se a lata dura em média 3/4 dias…. vc. gastará umas 7 latas por mês….resultado: R$ 200,00 a mais no orçamento….Depois de 1 ano a Chiara começou a tomar Ninho normal, o que reduziu pela metade este gasto.

6 – Remédios….affff! Preparem-se, afinal tenho certeza que se vc. não tem filho, nem caixa de remédios vc. deve ter em casa….hehehehe, mas quando nasce tudo muda: remédios e mais remédios….. de todos os tipos, de todos os preços, os que não podem faltar nunca!!!

7 – No meu caso, o pediatra das crianças saiu do plano médico e a mamãe “fresca” quis pagar particular porque ele já estava acostumado com a família (agora mudei de cidade, e os dois nem estão indo em consultas, porque não achei nenhum pediatra….absurdo, né? Ou 8 ou 80!!!) Isto é para provar que nós também somos muito exigentes e queremos dar o que achamos melhor, mas quando somos retirados da nossa realidade, a regra muda e não é por isto que eles não estão saudáveis.

8 –  Brinquedos e acessórios diversos: todos vocês sabem que sou consumista, que um dia vou mudar, mas hoje  sou mais criança que eles… fico louca para completar uma coleção! E os marketeiros de hoje sabem disso, afinal todos os brinquedos são feitos por parte… ehehehehehe vc. ganha um e depois compra os outros 100!!!! Agora, sem exageros: por mais que vc. é controlado, sempre acaba comprando algum acessório, pois o filho pediu ou achou-se necessário….mesmo que mínimo, há um gasto com este item!

9 – Alimentação: neste quesito, há diversas variáveis – se a sua família come muito em casa, é lógico que o gasto é menor, porém conforme a criança vai crescendo, vc. vai gastando com aqueles alimentos de criança: danoninho, bisnaguinha, sucrilhos, farinha láctea, bolacha, suco Kapo…. se vai para escola: o seu orçamento aumenta porque precisa comprar lanche para levar (a não ser que estude em escolas que já fornecem o lanche, mas vc. estará pagando por isto tb.). Agora, quando saímos para comer fora..a falência chega!!! Só para vcs. terem noção: um Mc Donalds gastamos em média R$ 75,00 (eu, Juninho, Marina, Chiara), isto que o Benício ainda não come lá..depois poderemos acrescentar mais R$14,00..total R$ 90,00…. imagina um restaurante para valer???

10 – Passeios, parques, viagens, cinemas: não adianta, por mais que a sua família seja a favor das praças públicas, da praia, praticar esporte ao ar livre…vai chegar um mmento que vc, vai se deparar com um Hopi Hari, Parque da Xuxa,  pipoca de cinema, balão de gás hélio das Princesas ou do Carros….uma saída completa não  sai por menos de R$ 250,00.

entre outros detalhes que aparecem no meio do caminho: um curso específico, material escolar, uniforme, um passeio da escola, presente dia dos pais, dias das mães,natal, dia das crianças, páscoa, poupança, investimento para a faculdade… a lista não acaba!!!!

 

CALMA!!!! Desanimou? Nem pensar!

Ter filhos é a melhor coisa do mundo e todos sabem que por mim teria uns 5, 6,7… O que precisamos pensar é que não adianta também ter tudo e não ter o mais importante que é o AMOR!!! Temos que verificar se estamos ao lado deles, vendo todas as suas mudanças, o crescimento…pois não adianta nada trabalhar igual uma maluca para dar a parte financeira e não ficar com os nossos filhos!!!

Tudo é adaptável e para tudo dá-se um jeito… precisamos analisar se estamos comprando para eles ou para nós! Um barquinho feito de papel talvez tenha muito mais significado do que a coleção inteira da Barbie!!! Fazer um piquenique em casa, talvez seja muito mais legal do que ir para um restaurante TOP! Ter um berço desmontável ao lado da cama dos pais talvez seja muito mais aconchegante, do que ter um quarto super decorado e maravilhoso…não precisamos comprar roupas chiquérrimas, sendo que eles perderão rapidamente, hoje está muito na moda os “desapegos” na internet que são roupas semi novas e muitas vezes de marca, a um preço super acessível!

O que quero dizer é que podemos adaptar tudo, se deixamos de lado o que os outros pensam, querem ou o que a moda diz, estamos mais ABERTOS à mudanças, afinal gastamos poque a sociedade diz o que é certo ou o errado, sendo que, na verdade, não existe um modelo ideal… há o modelo da sua família, o que é melhor para vocês!!!

Lógico que precisamos ter um preparo financeiro sim, mas tudo se acomoda com o passar do tempo!!! Felicidade é AMOR!!! Pensem nisto, na hora de decidir… e vamos sempre usando a imaginação para equilibar o orçamento. quem nunca fez isto, né?????hehehehehehehe

Bjs a todas!

 

Como a CULPA te ajudou a mudar positivamente!!! Tema do mês Campanha “Culpa, Não!” da Revista Pais & Filhos

Oi gente!

Hoje o post é muito especial. Como todos sabem, eu curto e participo da campanha CULPA, NÃO! da Revista Pais & Filhos (https://www.facebook.com/#!/culpanao?fref=ts). Clique AQUI e   AQUI   para conferir outros links sobre este assunto.

 

E esta semana, fiquei muito feliz ao receber um convite para colaborar com meu depoimento sobre o tema da campanha deste mês: COMO A CULPA TE AJUDOU A MUDAR POSITIVAMENTE! Ou seja… CULPA, SIM! Ainda bem que surgiu a culpa… hehehehe

Bom, fiquei pensando em diversas situações que aconteceram e que me fizeram mudar de atitudes, mas o que me veio com significância foi o meu DESPREPARO TOTAL NA GRAVIDEZ da minha primeira filha: da Chiara.

Quando penso em tudo que aconteceu por imaturidade minha, surge uma culpa enorme, porém se me transformei nesta “SUPER MÃE” que me considero, acredito que este momento da minha vida foi o principal responsável por esta mudança.

Mas, o que aconteceu????

Bom, fiquei grávida sem planejar, afinal não tinha tempo para ter filhos, já que o trabalho estava em primeiro lugar! Além do susto, misturado com alegria, fiquei sabendo que estava grávida, mas durante toda a gravidez continuei o mesmo ritmo frenético, por mais que os outros falassem que tinha uma VIDA dentro de mim, que só dependia do meu amor e dos meus cuidados, achava que tudo era normal e que nada tinha que mudar, mesmo VALORIZANDO a gravidez e estar muito feliz, eu não tinha NENHUMA noção do que era isso.

Os meses foram passando e a gravidez complicou: tive várias infecções urinárias (umas 15 no total), e entre uma dessas, com 6 meses, tive que internar, pois não conseguiam mais controlar. O engraçado que fiz tudo que uma grávida faz no quesito “status”: chá de bebê, decoração do quarto, enxoval, mas o mais importante que era diminuir o ritmo, cuidar de mim e da minha filha… nem passou perto! Para vocês terem noção, eu não me interessava nem em ler ou fazer cursos sobre gravidez (fiz um curso de gestante com a irmã de uma amiga nossa uma semana antes de ter a Chiara, porque ela insistiu muito!). Não sei se este meu comportamento foi porque meu marido já tinha uma filha, a Marina, então estava tranquila porque ele era “experiente”, ou se porque na minha cabeça, ter um filho, era como qualquer mudança na vida da gente: temos que fazer um check list das coisas que temos que fazer e se preparar: como para uma festa de aniversário, ou uma mudança de casa… SIMPLES ASSIM! Inacreditável, né?

Nem preciso falar que o parto da Chiara foi de emergência, né? O médico querendo me avisar que a minha filha tinha que nascer naquela hora, pois ela estava correndo risco de vida (estava com o cordão muito enrolado e muito apertado no pescoço) e eu preocupada com o evento que eu tinha que organizar a noite!!!

Ela nasceu, graças a Deus, tudo certo, mas, à noite tive mais uma lição: a pessoa que estava ao meu lado no quarto, teve a notícia na minha frente que a filha teve complicações e infelizmente não sobreviveu! Resultado: passei a noite inteira tentando consolar esta mãe! E pensando que isto poderia ter acontecido comigo, afinal a todo momento estive no limite e nunca tinha me tocado disso!

Depois de tudo que relatei a vocês, é impossível não EXISTIR CULPA, porém apenas hoje consigo ver como fui ABENÇOADA em todos os momentos e como APRENDI A AMAR VERDADEIRAMENTE. Aprendi a ser mãe, me tornei uma mãe de verdade e todos que me conhecem sabem que por mim teria mais uns 10 filhos. Nâo há uma realização maior! Tudo fica muito pequeno quando o assunto principal são SEUS FILHOS!

Na gravidez do Benício curti cada segundo… aprendi a amar a Marina, minha enteada, como minha filha também e espero ainda poder ser abençoada novamente! Ser mãe possibilitou-me a ser uma pessoa muito melhor! AMOOOOO  MUTO….um grande bj e até mais!

bike