Você já pensou em adotar uma criança?

Oi gente,

 

Tudo bem?

Dia 25 de maio comemora-se o “dia nacional da adoção”. Com certeza, um tema mega polêmico, mas que resolvi escrever aqui, pois na Família Viver Bem Bom já cogitou-se esta ideia várias vezes e vira e mexe retornamos ao assunto.

adoção dia

Agora vocês me perguntam: Camila você tem o desejo de adotar??? Sim, tenho muito!!! Acredito que já fui muito abençoada em poder gerar duas vidas (todos sabem da minha vontade de ter mais filhos), mas incluir neste círculo uma “pessoinha” que foi abandonada, ou que ficou orfã… seria fantástico,  pois poderemos ajudar e transformar a sua vida. Não me preocupo em raça, cor, sexo, idade, país de origem… gostaria de proporcionar isto à alguém!

Porém, como nada é fácil e simples de resolver, pois somos seres humanos e, adotar uma criança não é chegar no supermercado e escolher um produto…qual é o meu maior medo, ou melhor dizendo, receio: SERÁ QUE CONSEGUIREI CONSIDERAR COMO FILHO? SERÁ QUE NÃO FAREI DIFERENÇA ENTRE MEUS FILHOS LEGÍTIMOS e o ADOTADO? COMO MEUS FILHOS REAGIRÃO À SITUAÇÃO??? Lógico que nunca iremos saber se não concretizarmos a ação, mas por mais que temos as mais belas intenções, não mandamos no nosso coração.

Também sei que temos que ter todo um apoio profissional para a família, para que ajude em todo o processo! Também sei que não há um modelo perfeito, pois como tudo na vida, a mesma ação pode dar certo para uma pessoa e para outra não. Conheço casos maravilhosos de adoção, no qual a pessoa é super inserida à família, ninguém faz diferença, a pessoa sabe que é adotada e agradece por ter sido acolhida… mas também há casos que os filhos não aceitam, que a o filho adotado é revoltado, que trouxe discórdia para a família… mas isto pode acontecer em todas as situações, inclusive temos muitos casos de filhos legítimos que  não são se encaixam ao ambiente familiar… affff, mas o  que pensar então???

Cada família tem o seu jeito de pensar e agir e sabe o que é melhor para seu ambiente familiar, também acredito que a família sabe quando estará preparada para o assunto (mesma coisa quando também colocamos em dúvida se estamos preparados para casar, se achamos a pessoa certa para viver o resto da vida, se temos condição de cuidar de um filho, se queremos engravidar ou não… e quem já viveu isto, sabe que simplesmente acontece… simplesmente flui..talvez  não com tanta naturalidade…mas vai!) E na família Viver Bem Bom este assunto está amadurecendo aos poucos, ficarei muito realizada se  este sonho um dia se transformará em REALIDADE!

Enquanto isto, gostaria de compartilhar com vocês alguns links que li esta semana e explicam muito sobre o assunto (inclusive passo-a-passo) e dizer o quanto me orgulho das pessoas e famílias que passaram por cima de todos os “PORÉNS” e tanto  ajudam  e fazem o bem ao próximo: dando um lar, estudo, comida, roupa…. e acima de tudo: MUITO AMOR, AMOR VERDADEIRO, AMOR DE MÃE, DE PAI, DE IRMÃO, DE AVÔ,  DE TIO… AMOR FAMILIAR POR INTEIRO!!! Simplesmente sem palavras…

Links das matérias:

http://revistapaisefilhos.uol.com.br/familia-e-tudo/adocao-passo-a-passo

http://www.brasilescola.com/datas-comemorativas/dia-nacional-adocao.htm

Site direcionado a este assunto:

http://www.adocaobrasil.com.br/

adoção                                                                                                          www.dsvc.com.br

Qual é a opinião de vocês? Um grande bj e até mais!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vocês tiveram depressão pós-parto? Eu ainda não sei…

Oi gente!

 

Esta semana recebi o convite da Revista Pais & Filhos para escrever sobre “depressão pós-parto”, que é o tema deste mês da Campanha Culpa, Não!

culpa nao

Na mesma hora pensei: eu não tive depressão pós-parto, não posso escrever sobre este assunto! o que fazer?

Depois de 2 segundos parei e pensei: será que realmente não tive? hummm… vamos analisar!

Bom, fiquei na dúvida por que, como todos sabem, já escrevi AQUI  sobre isso: na primeira gravidez eu não tinha noção de nada, então tudo que consegui fazer e aprender foi um ganho para mim. Não houve frustrações porque não havia expectativas geradas. Aprendi a ser mãe e a dividir este amor para continuar a ter uma relação saudável com meu marido, mesmo com todas as mudanças.

Já na segunda gravidez, tudo foi muito tranquilo, porque já “SABIA” tudo a meu ver, já sabia tudo que iria acontecer… (coitada de mim, né?!?). Realmente, você já é mais experiente: já sabe o que levar para a maternidade, já sabe a quantidade de roupas que deve comprar ou não, o que foi útil, já sabe o que pode ou não comer…. mas, infelizmente, emoções e sentimentos não conseguimos controlar, mesmo sabendo o que é melhor ou o que é óbvio, não é?

E foi assim que aconteceu: fui para a maternidade, Benício nasceu, a Chiara foi a primeira pessoa que viu o irmão depois da sala de parto, passamos a noite no hospital e….fomos para casa!!! Na minha cabeça, tudo seria normal como na primeira vez, só esqueci de um detalhe: AGORA TENHO DOIS FILHOS!!!

Aí que minha “depressão pós-parto” (não sei se posso chamar deste jeito) começou: o que fazer  para dar atenção aos dois com a mesma qualidade? Como explicar para a Chiara que naquele momento, não poderia brincar com ela, pois estava dando de mamar… como poderia entender que estava sozinha com o Benício, pois meu marido tinha que sair sozinho com a Chiara para distraí-la… queria todos ao meu redor, precisava de atenção, precisava dar atenção! Como entender que de manhã, antes do Benício nascer,  ela era exclusiva e agora depois de alguns minutos, não mais!!!

Hoje, falo para vocês que AMO os dois igualzinho e não tem como separar, medir ou exemplificar… eles para mim são únicos, são meus tesouros!!! Mas, como foi difícil no começo, sentia muita falta da Chiara, de estar com ela, dar atenção, brincar, ajudar. Nem preciso falar que chorei muito, sofri, fiquei deprimida, mas como tudo na vida, com o tempo, tudo passa!

image

Aprendi que não sou culpada, aprendi que há momentos que um precisa mais de mim que o outro, aprendi a ensinar que eles necessitam entender que SOMOS FAMÍLIA e que todos precisam doar e receber, não da mesma forma, nem ao mesmo tempo, mas com grande INTENSIDADE!

image

Agora me pergunto: será que estes sintomas tem algo a ver com algum tipo de depressão pós-parto? Em nenhum momento houve rejeição ao Benício, muito pelo contrário, mas houve o vazio formado com a falta da Chiara…complicado, né?

 

Bom, como gosto de dividir experiências, sempre deixei claro que espero ter o meu terceiro, quarto, quinto… filho!!! Afinal, só assim para saber o que acontece, né??? hehehehehe

Agora, é com vocês… tiveram ou não depressão pós-parto? Quais sintomas? Como melhoraram? Por favor, contem tudo!

 

um grande bj e até mais!

 

O que fazer com os nossos corações quando precisamos viajar sem os filhos???

Meninas….

Vocês já passaram por isto? Eu já….nada agradável!aff…

Na verdade, resolvi escrever sobre este assunto porque semana passada acompanhei o drama de uma amiga nossa blogueira, a Denise Freitas, do blog Mamy de Primeira. Confiram a história dela no blog…

Com o Benício  ainda não precisei viajar, mas com a Chiara aconteceu logo no meu retorno, quando ela tinha 6 meses. Fiquei dois dias fora de casa e o que me salvou foi que trabalhei tanto, mas tanto….que me deparei com a saudade mais na hora de dormir….aí que percebi que não poderia sentir aquele cheirinho gostoso ao meu lado na cama!

Quando cheguei em casa, abracei tanto, beijei tanto…que quase sufoquei a menina!! A partir disso, organizei as minhas viagens para que fossem realizadas em, no máximo, 3 dias, pois mais que isto eu já estaria me jogando do décimo andar…heheheheh

Não sei se vocês têm a mesma opinião que a minha, mas conforme o seu filho vai crescendo ….fica pior, pois quando ele é bebê, ele sente a sua falta, mas não entende o que está acontecendo…mas quando ele começa a falar…..sai de baixo!!! Vc. quer passar por dentro do telefone ou pela tela do skype para poder estar com ele!!! O coração chora quando ele diz: mamãe estou com saudades…quando você vai voltar? Tem que trabalhar muito ainda???

Nestas horas é difícil dar dicas e opiniões, mas seguem algumas “estratégias” que adotamos em casa:

1 – Tente não ficar sofrendo antes da viagem…isto só vai piorar para vc…. fica aquela angústia e vc. não consegue aproveitar os momentos antes da viagem com seus filhos.

2 – Se seu filho já entende a situação, por mais que ele vá sofrer, conte que vai viajar e quanto tempo vai ficar fora…pois já fizemos o teste de contar e não contar e simplesmente desaparecer……foi terrível! a Chiara chorava direto e ficou muito manhosa!!

3 – Quando estiver viajando…tente ocupar, ao máximo, sua cabeça para não ficar com o pensamento em casa…..pode ter certeza que vai sentir bem menos a distância, afinal os seus filhos estão ótimos, pois se acontecer alguma coisa séria, vc. será a primeira a saber.

4 – Não suma da vida do seu filho durante a viagem…. a criança acalma quando tem algum contato por telefone ou pelo skipe (melhor ainda).

5 – Quando voltar, é importante contar como foi legal a sua viagem, pois seu filho não pode associar com algo negativo..ele tem que gostar de ouvir as suas “aventuras” quando estava longe dele (não sei se é certo ou errado, mas lá em casa sempre rola um presentinho de viagem, coisa simples).

Bom, espero ter ajudado um pouquinho com estas dicas, mas quero saber….e vocês? Qual é a estratégia da família???? Quais foram as experiências de vocês?

Um beijão e até mais….

Terminando a licença maternidade? E agora voltar a trabalhar ou ficar em casa?

Oi gente!!!

Que tema polêmico escolhi, hein???

Como este período é difícil! A mulher repensa todos os seus valores: o que realmente importa para vida???? E acredito que se pudesse escolher, escolheria ficar pelo menos os 2 primeiros anos em casa com seu filho e depois tomaria a decisão definitiva do que fazer.

Mas, como muitas vezes não temos escolhas… a volta ao trabalho é inevitável e então precisamos tentar lidar com este assunto da maneira mais tranquila possível. O que posso falar para vocês é que a gente se acostuma…os primeiros dias são terríveis, vc. tem vontade de fugir, voltar para casa, chora, tem aperto no coração, mas tudo isto passa! E com o passar do tempo se acostuma. O que ainda me dói é não ver todas as evoluções dos meus filhos…sabem aqueles livrinhos que você escreve “quem foi a pessoa que viu primeiro ele sentar? primeiro sorriso? primeiro dente?…” os que eu tenho sempre está escrito o nome da moça que cuida dos meus filhos desde que eles nasceram, mas fazer o quê? Ainda bem que tive a oportunidade de ter uma pessoa de confiança ao meu lado que ama meus filhos e dá todo o carinho que eles necessitam.. afinal, sempre precisamos olhar do lado positivo das coisas…hehehehe

O que aconselho é que a volta ao trabalho não seja de uma vez! Comece a ir pequenos períodos do dia, depois meio período, com o passar do tempo aumente as horas.

Stressar logo no começo não dá…senão seu leite vai embora em segundos! Manter a calma é essencial.

Priorize os horários: agora você tem alguém esperando por você todos os dias. Não dá mais para ficar até mais tarde para  adiantar as tarefas profissionais.

Quando chegar em casa: esqueça de tudo…dê atenção ao seu filho…ele precisa do seu carinho. Temos que priorizar a qualidade e não mais a quantidade!!!

O coração anda apertado? Desabafa! Conversar com pessoas que já passaram por isso ajuda muito!

E o mais importante: se vc. vai deixar seu filho na escola, com a babá, ou na casa da avó…vc. tem que estar tranquila…porque trabalhar preocupada não dá certo! Você não faz nem uma coisa, nem outra. Segue o link de um post que o Juninho fez sobre a escolha entre escolinha e babá http://viverbembom.com.br/escolher-entre-creche-e-baba/

Agora, conheço pessoas que voltaram a trabalhar e não conseguiram e hoje mudaram o seu estilo de vida: trabalham em casa e ficam com seus filhos, outras simplesmente resolveram se dedicar à vida de mãe, e ainda há o grupo que não vive sem a sua vida profissional.

Todas as decisões são válidas e o mais importante é a gente esteja feliz! Lógico, que tudo na vida tem os prós e contras e precisamos lidar com isso. Eu sempre brinco que quando a mulher vira mãe, deveria ter uma lei que determinava que nós só poderíamos trabalhar meio período, porque o outro meio período o nosso trabalho seria ficar com os nossos filhos. Para mim, este é o ideal. E para você? Deixe seu depoimento e conte como foi sua volta ao trabalho!!!!

 

E para registrar um pouco do meu tempo com meus filhos, segue uma foto do nosso final de semana que foi uma delícia!!! Um beijo e até mais…